Toward The Low Sun

27 fev

Após jejum de sete anos, o trio australiano Dirty Three está lançando novo LP com inéditas. Toward The Low Sun traz nove faixas compostas principalmente por violino, guitarra e bateria. Quem nunca ouviu a banda pode entender perfeitamente como ela costuma soar ouvindo as cinco músicas no miolo deste álbum. Embora esteja associada a conjuntos de indie-rock ou rock experimental, é arriscado colocá-la em pacotes como esses. Se for necessário rotulá-los, talvez os risíveis subgêneros slowcore ou sadcore sejam os mais apropriados. Estas são classificações que ela compartilha com grupos como Low e Cat Power, com quem já fez parcerias bem inspiradas.

Com o Low, o trio gravou uma cover sublime de Down By The River, de Neil Young. A música faz parte de um EP da série In The Fishtank, na qual a gravadora holandesa Konkurrent reúne bandas e dá a elas dois dias de estúdio para que façam o que bem entenderem e gravem o resultado da mistura.

Com a bela Chan Marshall, foi criada Great Waves, que pode ser conferida em Cinder, álbum anterior do Dirty Three.

É lamentável, mas Toward The Low Sun não carrega muito da inspiração dessas duas canções. O começo do álbum é promissor, com a música Furnace Skies, que lembra o “free-rock” sujo de bandas como Lightning Bolt, Hella ou Oneida.

Nada do que ouvi anteriormente do Dirty Three soava assim. Por mais que eles usassem distorção eventualmente e tivessem esse lado “free” em diversas ocasiões, a junção dos dois elementos nessa abertura dá a entender que um álbum inovador, com bases realmente contrastando com o violino, está por vir. A faixa é sucedida por Sometimes I Forget You’ve Gone, que é também um bom exercício dessa liberdade, principalmente da bateria, desapegada do andamento e descuidadosamente martelada com baquetas acústicas, acompanhando os timbres limpos das cordas e sua bela melodia. Mas a inovação para por aí, infelizmente. O que se ouve nas cinco faixas seguintes é majoritariamente um Dirty Three no piloto automático, insistindo em sua marca registrada. Não que isso seja ruim, ainda mais com a boa mixagem do disco que equilibra e articula muito bem os instrumentos contidos na gravação. Ouvir Dirty Three comum, com suas melodias melancólicas que ora crescem ora recuam e que, às vezes, são acompanhadas por uma bateria em convulsão, continua sendo ótimo. Me dá a sensação de estar deitado num barco abandonado, em meio a um mar revolto, mas olhando para um céu estrelado e sentindo refrescante brisa. Longe de ser o que descrevi, mas o som deles me lembra estes quadros emblemáticos do Monet (Impressão: Nascer do Sol e Vétheuil no Nevoeiro), nos quais a precisão de cada pincelada ou a constituição fiel da realidade não são o objetivo, deixando espaço ao lirismo e ao subjetivo.

OK, é tudo bem agradável, mas fico pensando se não faria bem, ainda mais após sete anos sem gravar, lançar um álbum com uma atitude diferente. Algo mais catártico e enérgico, que apenas desenrole o tapete de distorção para a o som cortante do violino, como o que é sugerido nas primeiras faixas. No lugar disso, a opção por essas músicas mais comuns que, aí sim, contrastam com as do início, fazem parecer que Toward The Low Sun não passa de um álbum raso e incoerente com sobras de estúdio. É uma pena, nitidamente há potencial no trio para fazer obras grandiosas e intensas, como as do Godspeed You! Black Emperor, por exemplo.

Apesar desse recheio burocrático, o final do álbum também se destaca. Ashen Snow é de longe sua composição mais bela, deixando o lado folk de lado para ser uma peça merencória, com atuação discretíssima da bateria e melodia conduzida por piano. You Greet Her Ghost fecha excepcionalmente o LP, conduzindo aquele barco num mar tempestuoso até uma misteriosa neblina, onde todos instrumentos tocam levemente, em boa parte do tempo só sugerindo suas notas.

Para o Dirty Three, a coexistência entre calmaria e frenesi, entre bucólico e caótico, era algo a ser explorado de forma muito mais incisiva, caso quisessem ser relevantes no panorama do rock contemporâneo. A covardia, falta de inspiração e inconsistência de Toward The Low Sun apenas perpetua o conjunto em notas de rodapé – ou melhor, no meio daquela neblina na qual eles desaparecem enquanto navegam rumo ao sol poente.

Toward The Low Sun

Dirty Three

Drag City

US$ 9,99 em mp3

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: